Festilha 2018 começa nesta sexta-feira (13)

30ª FESTILHA celebra a cultura da cidade mais antiga de Santa Catarina, São Francisco do Sul

Neste mês de abril, a Cidade Histórica de São Francisco do Sul estará em clima de celebração para comemorar suas manifestações culturais e artísticas mais autênticas. As ruas centenárias da orla da Babitonga serão o palco popular, para as diversas atrações da 30ª.FESTILHA – Festa das Tradições da Ilha, entre os dias 19 e 22. História, folclore, gastronomia típica, música, dança e artesanato são os elementos principais do que a Festa tem de melhor a oferecer.

Criada em 1989, para homenagear a data em que São Francisco foi elevada à categoria de cidade (15 de abril de 1847), a FESTILHA foi concebida com a participação das entidades beneficentes do município, com o intuito de arrecadar recursos para os trabalhos sociais. A iniciativa deu certo e, após quase três décadas, o evento se consolidou no calendário regional e do Estado.

A partir da culinária típica, à base de frutos do mar, nos tradicionais pratos que utilizam a farinha de mandioca, como o “Pirão com Linguiça”; os cantos e danças animados pelos folguedos e serestas, o boi de mamão, a dança do vilão, o pau de fita, as pastorinhas, todos representações emblemáticas da alegria e hábitos que movem e dão sentido ao modo de vida dos francisquenses.

Um pouco de História

A História de São Francisco do Sul se confunde com a própria História do descobrimento do Brasil. Aqui primeiro chegaram os franceses, no ano de 1504, quando habitavam essas terras os amistosos índios carijós. A expedição, capitaneada por Binot Paulmier de Gonneville, a bordo no navio “Le Espoir”, após enfrentar fortes tormentas, chegou às águas abrigadas da Babitonga em 05 de janeiro.

Binot e sua tripulação permaneceriam até 03 de julho do mesmo ano, quando partiram para o retorno à cidade de origem, Honfleur na França. A relação com a tribo foi tão boa que em gratidão, pela hospitalidade, foi levado o filho do cacique, Içá Mirim, com a promessa de lhe ensinar sobre artilharia. Içá Mirim se casaria em 1521, aos 32 anos, com a filha do capitão Goneville, Suzanne.

Segundo historiadores, baseados em registros da época, a denominação de “São Francisco” é atribuída à passagem do navegador espanhol, João Dias de Solis, que esteve na região no ano de 1515. Mais adiante, quando da fundação da Vila de Nossa Senhora da Graça, o nome “São Francisco” foi acrescentado em referência a Baía, considerada “rio” na época: Nossa Senhora da Graça do Rio de São Francisco.

O povoamento efetivo ocorreu em 1658, com a chegada do vicentista Manoel Lourenço de Andrade, que trouxe familiares, agregados, animais, instrumentos agrícolas e ferramentas para exploração de minas. Em seguida, deu-se a construção da Igreja Matriz, concluída no ano de 1665, ocasião em que a Vila foi elevada à categoria de Paróquia. Primeiro capitão-mor, Manoel Lourenço foi sepultado na Igreja Nossa Senhora da Graça.

Durante os séculos XVII, XVIII e XIX a economia agrícola prosperou com o cultivo da mandioca, que chegou a ser exportada com expressividade para o centro do Império. São Francisco também produzia outros gêneros, como arroz em casca, milho, feijão, aguardente e peixe seco. A evolução social e econômica representou o reconhecimento, através da elevação à categoria de cidade, que se sucedeu em 15 de abril de 1847.

Fonte: Prefeitura de São Francisco do Sul

Programação da Festilha 2018

13 DE ABRIL
TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS
18h – Abertura da Feira de Artesanato

PAVILHÃO ILHA GRANDE – ATERRO BABITONGA
18h30 – Cerimônia de Abertura da Festilha

PALCO AUTORAL – TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS
19h30 – Rosane Bonaparte
20h30 – Doga Lima
21h30 – Lucas Stammer

PAVILHÃO ILHA GRANDE – ATERRO BABITONGA
20h – Dorlei
21h – Banda Refúgio
22h – Banda Caíçara
23h – Show Nacional – Tati Portella e Banda

PAVILHÃO ILHA DA PAZ – PRAÇA DA BANDEIRA
19h – Nova Lenda
23h – Ynamaré

MERCADO DO SAMBA – MERCADO PÚBLICO MUNICIPAL
19h – Sou Assim
23h – Grupo Desafio

CINE TEATRO X DE NOVEMBRO
20h – Banda dos Fuzileiros Navais de Rio Grande

14 DE ABRIL
TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS
10h – Abertura da Feira de Artesanato

APRESENTAÇÕES CULTURAIS – Pavilhão Ilha Grande
11h – Roda de Viola
13h30 – Grupo Folclórico Dança do Vilão
14h – Grupo de Dança Paulo Cesar Ramos
14h30 – APAE
15h – MARITMOS – Arte e Cultura
16h – ATHOS Grupo de Dança
16h30 – Fandangueiros da Ilha
17h – Boi de Mamão da Praia Bonita
18h – Boi de Mamão da Agua Branca
20h – São Chico Growe
23h – Show Nacional – Wilson Simoninha

PALCO AUTORAL – Terminal Marítimo de Passageiros
12h – Clarel Jr e banda
14h – Patricia Meneses
15h – Edson Bernstorff
19h30 – Joel Muller
20h30 – Tiago Constante
21h30 – Pé de Bruxa
22h30 – Clã do Subúrbio

PAVILHÃO ILHA DA PAZ – Praça da Bandeira
12h – Juan Vanguarda e Brendon Gral
16h – Clarel Jr
20h – Doctor House
23h – Pé de Bruxa

MERCADO DO SAMBA – Mercado Público Municipal
12h – Marquinhos
16h – Saraiva e Amigos
20h – Grupo Sou Assim
23h – Neto e Amigos

15 DE ABRIL
TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS
10h – Abertura da Feira de Artesanato

PAVILHÃO ILHA GRANDE – Aterro da Babitonga
12h – Banda Guarani
15h – Bingo da Rede Feminina de Combate ao Câncer
18h – Associação Rocio Pequeno – Seresta
19h30 – Banda dos Fuzileiros Navais de Rio Grande
21h – Show – Banda Brothers

PAVILHÃO ILHA DA PAZ – Praça da Bandeira
12h – Bruce Voz e Violão
16h – Gordo e Chico
21h – Eleanor Acústico

MERCADO DO SAMBA – Mercado Público Municipal
12h – Marquinhos
16h – Saraiva e Amigos
21h – Neto e Amigos

TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS
12h – Terno de Reis – Salvador
14h – Contação de história – Velho Ted e a Bruxa Teda
15h – Associação do Coral Nossa Senhora de Lourdes
15h30 – Contação de história – Associação Cultural de Desenvolvimento Social – Projetos Raízes
16h – Capoeira de Angola – Cantigas de Angola

PALCO AUTORAL – TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS
20h – Piassava Roots
21h – Família Calabouço
22h – Saulo MC

Compartilhe